Vitória! Esta campanha foi encerrada há 9 meses

Se o Aqueloo pode eu também posso

No ar há 1 ano em Esportes, Lazer e Cultura
Square_187615_100000951675998_1294824195_q
Thadeu C
Cozinheiro
Se o Aqueloo pode eu também posso

A praia do Forte é uma área militar, cuja presença de civis é controlada. Como diz a própria apresentação do Aqueloo no Facebook, o espaço NUNCA havia sido antes aberto ao público. Ao permitir que ali fosse instalada uma estrutura de acesso a público privado, com a cobrança de altos preços do ingresso e demais itens de consumo, as Forças Armadas deram a entender que é possível que suas áreas militarizadas possam ser usadas para exploração econômica de terceiros, uma atitude reprovável e possivelmente até ilegal.

Apesar de ser possível que eventos sejam realizados no Forte, não está disponível a opção para eventos da magnitude do Aqueloo, o que é um forte indício de que houve negociação PRIVILEGIADA.

Uma vez cedida a entrada de pagantes e não de QUALQUER pessoa o Aqueloo comete infração diante da Lei 7.611, em especial ao Art. 10: As praias são bens públicos de uso comum do povo, sendo assegurado, sempre, livre e franco acesso a elas e ao mar, em qualquer direção e sentido, ressalvados os trechos considerados de interesse de segurança nacional ou incluídos em áreas protegidas por legislação específica.

Vamos impedir que novas privatizações de espaços que deveriam ser de uso comum e, neste caso, militar, aconteçam na cidade! O "Caso Aqueloo" é uma pequena amostra de como os poderes públicos são passivos a entidades privadas que exploram em seu próprio benefício áreas públicas que nem poderiam ser exploradas.

Exigimos a publicidade imediata do contrato feito entre as Forças Armadas e o clube privado e a garantia de que o mesmo não será renovado em respeito à população carioca.

Reforçamos a posição crítica sobre a privatização da costa por clubes desse tipo, residência e condomínios, resorts e outros, que não respeitam o meio ambiente, utilizam-se de meios nada transparentes para garantia de licenças e direitos e se efetivam como um mal para o País que vive exaltando nossas maravilhas naturais.

Deixe seu comentário